FISIOTERAPIA NO SIMPLES – Agora só falta a sanção presidencial

Fisioterapia no Simples

O projeto de INCLUSÃO DA FISIOTERAPIA NO SUPERSIMPLES foi aprovado ontem no Senado, esperando, agora, somente a sanção da presidenta Dilma para que concluamos mais essa etapa rumo a nossa autonomia.

Quem tem um negócio em Fisioterapia conhece bem o peso que a folha de pagamento e impostos causam no cotidiano de suas empresas. Hoje, a grande maioria dessas trabalha sob o REGIME TRIBUTÁRIO DE LUCRO PRESUMIDO. Isso gera 14,33% de impostos pagos sob o faturamento fiscal e ainda arca com todos os custos da folha de pagamento como a Contribuição Patronal Previdenciária de 25,8% . Passamos, ontem por mais uma etapa, a APROVAÇÃO NO SENADO DA INCLUSÃO DESSAS NO ANEXO III DO SUPERSIMPLES. Duas colegas, dentre outros, participaram efetivamente desse processo: Marlene Izidro e Izabela Álvares que, como dito nas redes sociais, existia há 5 anos.

Para saber mais sobre como ficará sua folha de pagamento e ou custos com impostos acesse os artigos abaixo:

SIMPLES – Mais uma conquista de nossa classe.

Serie Contabilidade – A folha de pagamento

Série Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa física?

Série Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa jurídica?

 

FONTE: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2014/07/16/aprovada-ampliacao-do-supersimples-a-todo-o-setor-de-servicos

 

Luis Henrique Cintra

 

 

 

Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa física?

RECIBO1Ser Fisioterapeuta autônomo talvez seja uma das atividades mais comuns em nossa área. Como profissionais da saúde, exercemos uma atividade diretamente relacionada a um função do Estado. Isso nos põe em condições diferentes daquelas observadas noutros profissionais de outras áreas em relação à RECEITA FEDERAL, porém, é preciso conhecer alguns detalhes sobre a emissão de recibos, pois esses  caracterizarão os CUSTOS VARIÁVEIS DA PESSOA FÍSICA.

A emissão de recibos não precisa ser espontânea, mas nunca deve ser forçada. Talvez, pudéssemos, até, caracterizar como um diferencial na prestação de serviços. Contudo, o fisioterapeuta precisa está atento na precificação para que o  valor do imposto esteja embutido no valor cobrado ao cliente.

Você pode acessa em nossa bibliografia para gestores as alíquotas de imposto de renda  e realizar dessa forma uma programação tributária. Por exemplo:

Você poderá emitir até R$ 1.787,77 por mês sem pagar imposto de renda, se você emitir R$ 3000,00 mensais, você teria 15% de imposto de renda a recolher R$ 450,00,  mas poderia deduzir até R$ 335,03 . Ou seja, você pagaria somente R$ 114,97.

 

Veja também: http://economia.uol.com.br/ultnot/multi/2010/03/18/0402983366CCB95326.jhtm?contador-fala-sobre-a-parcela-a-deduzir-do-imposto-de-renda-0402983366CCB95326

 

Luis Henrique Cintra

 

 

 

Séria Contabilidade – O que é IRPJ?

Chamamos IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica) o imposto cobrado pelo governo  federal e que corresponde a 15% dos 32% do lucro presumido que o governo aplica sobre as Empresas de Fisioterapia. Isso dá 4,8% do faturamento obtido pela emissão das notas fiscais no mês.

Ele é trimestral, porém, às vezes, é cobrado, em parte, na fonte, quando no pagamento de algumas Operadoras de Planos de Saúde. Os meses de pagamento do IRPJ são: ABRIL (janeiro + fevereiro + março), JULHO (abril + maio + junho), OUTUBRO (julho + agosto + setembro) e JANEIRO (outubro + novembro + dezembro). Sugiro sempre que esse imposto seja pago mensalmente para que não gere acúmulo no período.

Até a próxima postagem,
Luis Henrique Cintra