Sobre nós mesmos.

Leandro Leão Fisioterapeuta BA

Dr.Leandro Leão
Fisioterapeuta BA

Sentimos bem como é difícil ser Fisioterapeuta, quando nos permitimos a cada dia não falar em gestão, não debater nossos problemas e o pior de tudo é nos permitir a brutalização pela falta de conhecimento. Logo, os sintomas de falência da profissão são evidentes quando culpamos todos e não fazemos nada além de apenas reclamar e quando a grama do vizinho é mais verde e mais bem cuidada que a minha. Acordemos colegas e sinceramente deixemos de discutir assuntos bobos e vãos que não produzirão nada e nunca nos levará a nada. Nos falta capacitação e politização ao passo que nos sobra preguiça mental e uma vontade louca de buscar um culpado pela nossa inércia e nossa morosidade com nós mesmo. Uma vez disse que somos mofinos e continuo a acreditar ainda mais que agimos conforme a nossa fome e não de acordo com uma estratégia unida, bem planejada e com a participação de todos. Posso até estar enganado, mas o Fisioterapeuta é um mestre em espalitar os dentes de barriga vazia. Reclama de mais e pensa de menos. Culpa o Conselho, Sindicato, Operadoras, Patrões,, Deus e até o paciente , todavia não se volta para o epicentro dos problemas que é a postura relapsa e indolente com seus direitos.

 

Leandro Leão

Presidente da Associação Baiana de

Prestadores de Serviços Fisioterapêuticos

 

Sempre que surgir a intenção de questionar a conduta de outro colega Fisioterapeuta, lembre-se que a palavra dita não volta.

Criticar condutas não traz sucesso a ninguém, no máximo gera um hiato na força  que nos mantêm unidos.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta é explorado ou não conhece o seu valor?

Imagem

É muito comum escutarmos em rodas de amigos Fisioterapeutas que existe uma prostituição da profissão. Comentários e justificativas tão antigos quanto a própria atividade mencionada.

Eu queria perguntar aos meus amigos, quanto vale o seu serviço? Quanto é suficiente para que você não se sinta explorado? Quanto é justo ficar para o  empregador? Você teria aquele cliente(s) fora daquele local onde está trabalhando?

Como você calcula o preço de meus serviços? Será que você aprendeu  isso na faculdade, ou ficou sonhando em cobrar o que colegas que já estão no mercado, há anos, cobram só para não se sentir “por baixo”?

Muitos colegas caem na ilusão de adotar um certo “método de tratamento” porque “esse paga bem” e ai enxergam, depois de alguns investimentos, que não era tão simples cobrar o que imaginavam.

Meus amigos, primeiro temos entender, que há uma diferença entre preço e valor. Embora, numa primeira análise, possam ser semelhantes, esses não o são. È bem simples, imagine o preço de uma garrafa de água mineral, agora, qual o valor, dessa , bem gelada, no meio do deserto?

Voltando para a nossa realidade imagine o valor do atendimento que você pode obter com um ambiente climatizado, recepção ágil, higienização impecável, comunicação eficaz e alta resolutividade em seu atendimento.

O cálculo do preço requer o conhecimento de 4 situações(Custos Fixos, Custos Variáveis, Custos de Marketing e Lucro desejado) Quanto mais próximos estiverem, o preço e o valor de seu serviço, mais você se realizará. Mas lembre-se o preço quem dá é você, mas, o valor que lhe concede, é o cliente.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor