Mudar é abrir uma porta que só abre para dentro

 

foto do texto "Mudar é abrir uma porta que só abre para dentro"

foto do texto “Mudar é abrir uma porta que só abre para dentro”

Li essa frase num livro de auto-ajuda. Sim, adoro livros de auto-ajuda. Muitos “intelectuais” dizem assim: ”Isso é pra quem não lê nada e acha que vai achar tudo ai, é uma forma de ganhar dinheiro em cima da ignorância da massa”. – Ainda bem que sou ignorante, pois tenho a oportunidade de aprender mais, mesmo que seja sobre mim mesmo.

A mudança sempre fascinou o humanidade. A renovação, o incremento, o novo e o rejuvenescimento facial nos anima para experimentar sensações antes desconhecidas…. Porém, esquecemos que tudo tem um preço, e olha que Deus é o melhor precificador que ouvi falar. Mas como não foi Deus quem criou o dinheiro, e sim, os humanos, ele cobra a dívida de cada um nos hábitos que cada mutante assume.

Uma parábola fantástica sobre a mudança é a da águia. Ela quebra seu bico, arranca suas unhas e se despena toda para conseguir usufruir de sua experiência quando a juventude não é mais companheira. Essa nos ensina que mudar requer atitude, perseverança e DOR, muita DOR.

Ninguém emagrece na segunda feira, ninguém é fiel nas juras do casamento ou pelo menos é sábio porque escreveu algo. A excelência está no habito e não no feito. Enquanto a vaidade nos faz sentir diferente a atitude nos torna e a disciplina nos consolida.

Um abraço,

Luis Henrique Cintra

Fisioterapia, profissão ou mais um serviço?

Profissão ou serviço

O Fisioterapeutas  são profissionais, que em sua grande maioria, são apaixonados pelo o que fazem. Não há recompensa maior que conseguir devolver a função perdida por alguém através de condutas simples, porém, sistemáticas e eficazes. O grau de importância  na vida das pessoas é imensurável. Somente quem precisou, é quem sabe o verdadeiro “valor” do Fisioterapeuta.

No Brasil, nossa profissão é praticada há mais de 100 anos, porém, oficializada há menos de 50. Surgimos, na realidade, como um adendo, uma colaboração, um serviço que “dava uma força” para outros profissionais serem laureados por nosso esforço. Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais são os focos da criação de nossa profissão, Instituto Ademar de Barros e ABBR estão entre os primeiros espaços destinados a “prestação de serviços fisioterapêuticos”.

Fomos ajudantes, depois auxiliares, depois técnicos e a partir de 1969 profissionais de nível superior. Quem nos ensinava? Quem nos supervisionava? Nós avaliamos e prescrevemos, ou somente executamos? Diariamente centenas de perguntas como essas giram o cotidiano, mesmo de forma “abafada”, o cotidiano de inúmeros profissionais que sonham com a autonomia.

Não pedimos para ter os nossos serviços pagos pelas Operadoras de Plano de Saúde. Médicos que, na época do inicio desse sistema de saúde, possuíam “serviços” onde se “aplicava” as “fisioterapias” dominavam o mercado. Com o tempo, os “donos de clínicas” começaram a mudar de perfil, o Fisioterapeuta, agora, assumia tal posição. Contudo, esse não se preparou para tanto e observamos inúmeros problemas desde então.

O Fisioterapeuta que hoje pretende entrar no mercado, seja como autônomo, seja  como empresa, ou então, através de concursos públicos, deve entender que precisa COMPORTAR-SE COMO PROFISSIONAL E NÃO COMO UM CONDUTOR DE SERVIÇOS, sendo, portanto necessários, inúmeros conhecimentos, além dos técnicos,   para o estabelecimento desse no mercado de trabalho. Isso deve começar ainda nos bancos escolares.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Custos e qualidade nos serviços fisioterapêuticos

custos e qualidade

Durante a formação acadêmica  dos fisioterapeutas são ensinadas inúmeras formas de cuidar das pessoas. Por quase 5 anos, os acadêmicos recebem instruções sobre recursos, métodos e orientações relacionados às disfunções comuns aos pacientes que necessitam dos serviços fisioterapêuticos. Ao graduarem-se, tais profissionais podem passar por uma situação que, muitas vezes, apresenta-se de forma desagradável, a formulação do preço de seus serviços sem que isso venha comprometer a qualidade do mesmo. Essa disciplina não é mostrada nos bancos acadêmicos.

Uma situação, bem comum, é quando o acadêmico realiza um estágio irregular achando que vai ser empregado e logo quando cola grau, é simplesmente substituído. Outra é quando esse recebe a seguinte orientação: “você tem que atender tantas pessoas por dia”. Nas empresas menores, em que existe a necessidade do profissional, mas essa não pode arcar com um custo fixo do piso salarial , o fisioterapêuta tem a liberdade nos atendimentos, mas sua remuneração inicialmente é baixa, já que tal profissional “não tem clientes”. Por essas e outras razões, o profissional fisioterapêuta fica desnorteado , pois antes conhecia somente a realidade estudantil.

A qualidade pode e deve ser obrigatória em todos os serviços fisioterapêuticos, mas não podemos esquecer que temos um custo para consegui-la. Infelizmente, muitos profissionais acreditam, que a qualidade está relacionada somente aos atendimentos individuais ou então aqueles que “não são ensinados na faculdade”. O COFFITO, órgão máximo que nos regulamenta, desenvolveu um documento, intitulado Parâmetros Assistenciais, que pode ser um guia para caracterizar a rotina de nosso serviço.

O tempo de atendimento é sem dúvida um dos itens que deve ser mensurado quando o assunto é qualidade, e, esse, relaciona-se diretamente aos custos fixos da empresa ou do profissional que presta o serviço. Minha opinião é que sem o devido controle do tempo dos atendimentos essa relação fica totalmente desequilibrada. Não será interessante, financeiramente, permanecer com um cliente por um tempo que possa gerar prejuízo para o profissional ou instituição.

No mercado, na grande maioria das vezes, não conseguimos repetir os processos feitos nas faculdades, pois lá  recebemos conhecimento e nesse nós oferecemos o serviço. Os clientes, em sua maioria, podem querer utilizar os seus planos de saúde e dessa forma, o empresário ou profissional liberal deve repensar em como oferecer o mesmo serviço recebendo valores que, na grande maioria das situações, são incompatíveis com a realidade.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Aprecefisio inicia negociações com a Cafaz

20140127_144001

A APRECEFISIO(Associação dos Prestadores de Serviços de Fisioterapia do Estado do Ceará) esteve reunida no dia  28/01/2014 com a CAFAZ.  Em pauta, nossa associação apresentou:

– Guia de Contratualização da ANS(orientações gerais para a elaboração dos novos contratos) – acesse

– Rol de Procedimentos da ANS(todos os procedimentos que devem estar descritos nos contratos) – acesse

-RNPF(Referencial Nacional de Procedimentos Fisioterapêuticos) – documento elaborado pela Comissão Nacional de Honorários do COFFITO e que deve seguir de base para todas as negociações de valores. – acesse

Salientamos que boa parte dos procedimentos descritos em nosso Referencial está contemplada tanto na TUSS(Terminologia Unificada da Saúde Suplementar) como no Rol da ANS, contudo, esse,  descreve ítens obrigatórios que todas as operadoras devem oferecer. Um dos pontos mais importantes  da reunião foi a apresentação da CONSULTA FISIOTERAPÊUTICA, conquista essa, válida desde o dia 02/01/2014

Nem o Rol nem a TUSS descrevem valores, esses estão descritos em nosso Referencial(RNPF) e a aplicação de tais valores dependerá exclusivamente de nossa capacidade de UNIÃO.

VEJA OS PROCEDIMENTOS QUE ESTÃO E OS QUE NÃO ESTÃO NO ROL DA ANS

COD PROCE ESTÁ NO ROL DA ANS
50000063 Consulta individual domiciliar, em terapia ocupacional NÃO
50000098 Sessão individual domiciliar, em terapia ocupacional NÃO
50000110 Sessão de terapia ocupacional familiar NÃO
50000128 Sessão de terapia ocupacional em grupo NÃO
50000241 Consulta domiciliar em fisioterapia NÃO
50000250 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar ao paciente com disfunção decorrente de lesão do sistema nervoso central e/ou periférico NÃO
50000268 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético NÃO
50000276 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar ao paciente com disfunção decorrente de alterações no sistema respiratório NÃO
50000284 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema cardiovascular NÃO
50000292 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar ao paciente com disfunção decorrente de queimaduras NÃO
50000306 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema linfático e/ou vascular periférico NÃO
50000314 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar no pré e pós cirúrgico e em recuperação de tecidos NÃO
50000322 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar por alterações endocrino-metabólicas NÃO
50000330 Sessão para assistência fisioterapêutica domiciliar para alterações inflamatórias e ou degenerativas do aparelho genito-urinário e reprodutor NÃO
50000438 Hidroterapia NÃO
50000446 RPG NÃO
50000071 Consulta individual hospitalar, em terapia ocupacional SIM
50000080 Sessão individual ambulatorial, em terapia ocupacional SIM
50000101 Sessão individual hospitalar, em terapia ocupacional SIM
50000136 Sessão de terapia ocupacional para treinamento órteses, próteses e adaptações SIM
50000144 Consulta ambulatorial em fisioterapia SIM
50000152 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de lesão do sistema nervoso central e/ou periférico SIM
50000152 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de lesão do sistema nervoso central e/ou periférico SIM
50000160 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético SIM
50000160 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético SIM
50000160 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético SIM
50000179 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de alterações no sistema respiratório SIM
50000187 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema cardiovascular SIM
50000195 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de queimaduras SIM
50000209 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema linfático e/ou vascular periférico SIM
50000217 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial no pré e pós cirúrgico e em recuperação de tecidos SIM
50000225 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial por alterações endocrino-metabólicas SIM
50000233 Sessão para assistência fisioterapêutica ambulatorial para alterações inflamatórias e ou degenerativas do aparelho genito-urinário e reprodutor SIM
50000349 Consulta hospitalar em fisioterapia SIM
50000357 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de lesão do sistema nervoso central e/ou periférico SIM
50000357 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de lesão do sistema nervoso central e/ou periférico SIM
50000365 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético SIM
50000365 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético SIM
50000365 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema músculo-esquelético SIM
50000373 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de alterações no sistema respiratório SIM
50000381 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema cardiovascular SIM
50000390 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de queimaduras SIM
50000403 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar ao paciente com disfunção decorrente de alterações do sistema linfático e/ou vascular periférico SIM
50000411 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar no pré e pós cirúrgico e em recuperação de tecidos SIM
50000420 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar por alterações endocrino-metabólicas SIM
50000454 Sessão para assistência fisioterapêutica hospitalar para alterações inflamatórias e ou degenerativas do aparelho genito-urinário e reprodutor SIM
20203020 Eletroestimulação do assoalho pélvico e/ou outra técnica de exercícios perineais SIM
31602185 Estimulação elétrica transcutânea SIM

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Curso de DLM com módulo de empreendedorismo na clínica Somma

SONY DSC

Hoje iniciamos mais um curso de Drenagem Linfática Manual ministrado por Dra.Lena Monteiro Cintra. Esse, previsto para 40 horas,  abordará os temas de DLM Corporal e Facial contudo, terá, no conteúdo programático, a inclusão de um módulo de empreendedorismo. A idéia é que o aluno conclua a capacitação não  apenas conhecendo as manobras tradicionais mas, aprenda a identificar algumas características básicas do mercado da Fisioterapia, inclusive com noções para a formação de preço dos serviços que serão prestados.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Uma reflexão sobre a Fisioterapia

fisioterapeutas

Nos últimos 20 anos tenho observado a população exigindo cada vez mais que os serviços de Fisioterapia se renovem, evoluam, se estruturem, enfim, estejam prontos para atender a grande demanda existente. Mas, diariamente escuto queixas sobre tais serviços oferecidos por clínicas e hospitais da rede privada. Por inúmeras vezes recebi pacientes queimados por equipamentos mal utilizados, outros com o quadro piorados depois de iniciar a Fisioterapia, vários com subluxações vertebrais ou estiramentos ligamentares por manipulações erradas da coluna e quase todos dizendo a mesma coisa: “Eu não acredito que a Fisioterapia possa fazer algo por mim”.

É realmente lastimável que grande parte da população não consiga ter acesso aos SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE FISIOTERAPIA. Afirmo, sem pestanejar, que hoje mais de 80% dos SERVIÇOS PRIVADOS DE FISIOTERAPIA estão funcionando através de mão-de-obra não especializada, ou melhor, MÃO-DE-OBRA ILEGAL.

São AUXILIARES DE FISIOTERAPIA, que usam “branco” e se espalham diariamente em vários ambientes ditos como seguros para a realização dos tratamentos Fisioterapêuticos. Cabe ao CREFITO fazer valer a lei e proteger a população dessa prática, cabe a população negar-se a esse tipo de atendimento denunciando tais locais e cabem aos acadêmicos que desejam sobreviver dessa profissão não se submeterem a essa prática.

Os planos de saúde, enquanto cobram verdadeiras fortunas aos seus associados, não respeitam os profissionais Fisioterapeutas e pagam valores ridículos que dificultam a profissionalização dos serviços que “atendem por convênio”. Cria-se daí um ciclo: Como eu não recebo eu não ofereço o serviço. O usuário que resolva.

Se você, leitor, deseja usufruir de um serviço de Fisioterapia Profissional não aceite ser atendido por auxiliares que sem nenhuma responsabilidade técnica expõe vossa saúde a riscos desnecessários. Procure o CREFITO (Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional) de sua cidade e peça informações sobre os serviços que estão dentro dos padrões exigidos.

Um abraço,
Luis Henrique Cintra

A concorrência na Fisioterapia

perfil

Diariamente converso com colegas que alegam que a concorrência é desleal, ou seja, nenhuma novidade. Prefiro dizer que na realidade a concorrência não é desleal, mas desinformada, e isso parece estar bem relacionado ao velho e rotineiro assunto, o MEDO, sim, temos medo daquilo que não conhecemos, daquilo que vive no imaginário. Preferimos calcular o nosso preço não no “valor” de nosso serviço mas no “preço” que nosso vizinho aplica.

A experiência mostra que clientes de uma clínica de Fisioterapia não frequentam o local necessariamente pelo preço de seus serviços, e sim, pela facilidade de seu acesso.Trânsito, má comunicação, atendimento fora do horário, equipamentos quebrados ou equipe mal treinada faz o cliente perder algo mais importante que dinheiro, o faz perder TEMPO. Expandindo o raciocínio, o faz perder parte de sua vida “esperando” que o serviço de Fisioterapia seja realizado.

Estudos mostram que os clientes de uma determinada clínica habitam ou trabalham num raio de 3 km daquele local. Ninguém vai rodar 10 km para ter um desconto de R$ 20,00 ou R$ 30,00, principalmente no que diz respeito a tratamentos seriados, pois, como já definimos acima, a “perda de tempo” não justifica.

Um abraço,

Luis Henrique Cintra

Como ter sucesso na Fisioterapia

Fisioterapia_1

O Fisioterapeuta passou, desde a criação de sua profissão, por inúmeros obstáculos que o fortaleceram na busca de um ideal de autonomia financeira. Avanços científicos inquestionáveis, participação política, chefias e reconhecimento da população.

O Fisioterapeuta, hoje, se apresenta como um profissional de vanguarda na saúde sendo imprescindível no âmbito primário, secundário e terciário. Limitado inicialmente a grandes Centros de Reabilitação depois em Clínicas de Reabilitação onde médicos eram proprietários, o Fisioterapeuta, atualmente, é proprietário de consultórios ou clinicas de especialidades nunca antes mencionadas ou imaginadas.

Contudo, independente da área de atuação, especialidade ou tipo de negócio (consultório, clínica, hospital, franquias, academias etc), o Fisioterapeuta, como qualquer prestador de serviço, deve ter a necessidade do preparo empresarial para que não compre gato por lebre.

Atenção para os negócios fantásticos, os métodos infalíveis ou as oportunidades únicas pois o mercado é implacável com amadores. Antes de aplicar seus recursos, pense no tipo de paciente que deseja atender, na área da cidade que vai atuar, nos possíveis concorrentes e no valor compatível com seus conhecimentos de custos fixos e variáveis do seu negócio. Somente assim você terá o sucesso merecido.

Um abraço,
Luis Henrique Cintra

A importância da união na Fisioterapia

SONY DSCPara que todos estejam dispostos a salvar a vida de alguém em perigo, esse alguém deve inicialmente arriscar sua vida para preservar a de todos.

Esse aforismo recheou minha infância através de lendas contadas por Alexandre Dumas em seu clássico “Os Três Mosqueteiros”, escrito, encenado e filmado inúmeras vezes.

Na estória, observamos 3 guardas e 1 aprendiz que são leais ao Rei da França e lutam contra o terrível e manipulador Armand Jean du Plessis, Cardeal de Richelieu.

O que nós, após 300 anos, podemos extrair desse conto de fadas? Será que esse conto pode ser aplicado em nossas relações atuais?

Quem o conhece sabe que cada um dos mosqueteiros tinha uma “queda” por alguma coisa, fosse: mulheres, fortuna, vinho ou poder. Enfim, como humanos, tinham suas fraquezas que são demonstradas com maestria por seu criador..

A frase mais famosa é dita quando tomam alguma decisão importante, tipo salvar suas vidas: “Um por todos e todos por um”. Sendo muito mais que um jogo de palavras, essa frase pode exprimir o sucesso de toda e qualquer empreita no trabalho de equipe. Todos, Os Mosqueteiros, estavam dispostos a abrir mão de suas preferências em prol do grupo.

Diariamente, acessando meus e-mails e redes sociais vejo meus amigos ACADÊMICOS, PROFESSORES, MARKETEIROS, PROFISSIOANAIS e POLÍTICOS da FISIOTERAPIA falando da NECESSIDADE DE UNIÃO. Mas será as palavras ditas podem realmente nos unir?

Frases soltas ao vento não tem o efeito desejado, acabam sendo somente um alívio de nossas responsabilidades individuais. A gente quer que a iniciativa comece no outro. Porém, ao verificar as palavras Dummar, verifico: PARA QUE TODOS ESTEJAM DISPOSTOS A SALVAR A VIDA DE ALGUÉM EM PERIGO, ESSE ALGUÉM DEVE INICIALMENTE ARRISCAR SUA VIDA PARA PRESERVAR A DE TODOS.

Como nós, Fisioterapeutas, somos muito jovens, somos impetuosos e arrogantes, acreditando por conseqüência, que conseguiremos a nossa autonomia sozinhos. É claro que não falamos isso, ao contrário, sempre nos mostramos dispostos a aceitar a decisão da maioria, porém na prática, preferimos ficar sobre o guarda chuva da minoria, a humanidade é a mesma.

Aristóteles tem uma frase imortal: “Somos o que fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito. Seja você a mudança que deseja no mundo. Falar, qualquer um fala. Tenha atitudes que inspirem confiança nos outros, somente assim conseguiremos nossa autonomia e seremos protegidos quando for necessário.

Ser Líder não é convencer seus subordinados para realizar o impossível, mas estar presente e dividir o sangue, suor e lágrimas derramados quando se tentou o fazer o possível.

Quem se diz livre dentro da massa manipulada age como manipulador da esperança e não como líder.

Até a próxima postagem,

Luis Henrique Cintra

Pequenos conselhos para empreender em Fisioterapia

fisioterapeutas_empresários

1) CORAGEM: Antes de começar qualquer projeto entenda que o mais importante não é o dinheiro que vai ser investido ou ganho, mas a vontade que você tem para sua realização profissional.

2) ESTRUTURA: os clientes adoram que você se estruture. O cliente não paga necessariamente pelo serviço, mas, pelo que ele vê.

3) TÉCNICA: seja prudente, essa é a palavra para que qualquer técnica seja eficaz. Nem todo cliente vai aceitar uma manipulação cervical de bom grado.

4) ÉTICA: nunca, repito, nunca, caia na tentação de criticar seus concorrentes, mesmo que eles sejam terríveis com você. Muitos clientes adoram o jogo de leva e traz. A fofoca é mais importante que o alívio da dor. Tenha certeza que se ele, o cliente, fala mal de seu concorrente, um dia falará mal de você.

5) PESSOAL: não pense que sua recepcionista ou sua zeladora é MBA em gestão. Nunca deixe responsabilidades suas em mãos que devem servir para outra coisa.

6) TREINAMENTO: ninguém é tão ignorante a ponto de não conseguir ensinar algo ou tão inteligente a ponto de não precisar aprender algo.

7) COMUNICAÇÃO: não confie na memória, ela dá tilt. Informatize seu negócio. Seu banco de dados vale ouro depois de um tempo.

8) MARKETING: você nunca será tão bom a ponto de não precisar informar às pessoas que existe, mas não esqueça que o anúncio deve ser a ameixa do bolo e não os ingredientes.

9) RENOVAÇÃO: renovar não significa a abandonar algo para ir para o que é da moda. Incremento deve vir com a experiência e senso crítico. Quando alguém for lhe vender algo fantástico procure saber se ela realmente usa aquilo como fala ou se está apenas “vendendo”.

10) DINHEIRO: comparo isso a KATANA, ou espada samurai. Você pode vencer todos os seus inimigos com o seu uso, mas são necessários anos de prática. Quem brinca com essa arma, sempre, sempre se fere.

Um abraço,
Luis Henrique Cintra