Custos e qualidade nos serviços fisioterapêuticos

custos e qualidade

Durante a formação acadêmica  dos fisioterapeutas são ensinadas inúmeras formas de cuidar das pessoas. Por quase 5 anos, os acadêmicos recebem instruções sobre recursos, métodos e orientações relacionados às disfunções comuns aos pacientes que necessitam dos serviços fisioterapêuticos. Ao graduarem-se, tais profissionais podem passar por uma situação que, muitas vezes, apresenta-se de forma desagradável, a formulação do preço de seus serviços sem que isso venha comprometer a qualidade do mesmo. Essa disciplina não é mostrada nos bancos acadêmicos.

Uma situação, bem comum, é quando o acadêmico realiza um estágio irregular achando que vai ser empregado e logo quando cola grau, é simplesmente substituído. Outra é quando esse recebe a seguinte orientação: “você tem que atender tantas pessoas por dia”. Nas empresas menores, em que existe a necessidade do profissional, mas essa não pode arcar com um custo fixo do piso salarial , o fisioterapêuta tem a liberdade nos atendimentos, mas sua remuneração inicialmente é baixa, já que tal profissional “não tem clientes”. Por essas e outras razões, o profissional fisioterapêuta fica desnorteado , pois antes conhecia somente a realidade estudantil.

A qualidade pode e deve ser obrigatória em todos os serviços fisioterapêuticos, mas não podemos esquecer que temos um custo para consegui-la. Infelizmente, muitos profissionais acreditam, que a qualidade está relacionada somente aos atendimentos individuais ou então aqueles que “não são ensinados na faculdade”. O COFFITO, órgão máximo que nos regulamenta, desenvolveu um documento, intitulado Parâmetros Assistenciais, que pode ser um guia para caracterizar a rotina de nosso serviço.

O tempo de atendimento é sem dúvida um dos itens que deve ser mensurado quando o assunto é qualidade, e, esse, relaciona-se diretamente aos custos fixos da empresa ou do profissional que presta o serviço. Minha opinião é que sem o devido controle do tempo dos atendimentos essa relação fica totalmente desequilibrada. Não será interessante, financeiramente, permanecer com um cliente por um tempo que possa gerar prejuízo para o profissional ou instituição.

No mercado, na grande maioria das vezes, não conseguimos repetir os processos feitos nas faculdades, pois lá  recebemos conhecimento e nesse nós oferecemos o serviço. Os clientes, em sua maioria, podem querer utilizar os seus planos de saúde e dessa forma, o empresário ou profissional liberal deve repensar em como oferecer o mesmo serviço recebendo valores que, na grande maioria das situações, são incompatíveis com a realidade.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

2 thoughts on “Custos e qualidade nos serviços fisioterapêuticos

  1. Ótima postagem Dr. Luis Henrique, eu como acadêmica ja tomei a consciência de que o estágio prematuro, e muitas vezes remunerado “prostitui” a profissão. Quantas e quantas clínicas fazem uso dessa mão de obra barata para beneficiar os seus custos e desfavorecer o profissional. Quantos e quantos alunos encaram um estágio totalmente despreparados, com o inútil pensamento de que “aprenderá na pratica”, desprezando a realidade onde sem a fundamentação teórica este aluno nao passará de um simples técnico, dificilmente chegará a ser um profissional. Sei que muitas vezes o que é cobrado pelo tratamento fisioterapêutico nao condiz com aquilo que de fato merecia ser, porém para que essa realidade mude, a nossa classe deve se um unir, cortando as arestas, que são essas pequenas atitudes que desvalorizam o profissional, caminhando assim rumo a uma profissão sólida, unida e respeitada.
    Saudações,
    Danielly Ingrid
    Acadêmica de Fisioterapia da Unichristus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>