Adoro recebê-las…

criticas

É bom receber críticas, pois no mínimo, essas expressam que de alguma forma nossas opiniões ou atitudes atingiram, de alguma forma, alguém na concordância ou não de um ponto de vista que, quando criado, fazia sentido.

Tantas são as críticas como os criticadores. Cada um revelando o seu papel no contexto de uma discussão. Ter ter mais paciência com aqueles que, por ignorância, chegam a difamar ou caluniar é primordial, pois, tais atos, na grande maioria das vezes são acompanhados pela ira, sentimento que nos torna propensos a desvirtuar nossas atitudes.

Vivemos num mundo onde todos desejam expor seus pontos de vista, porém, somente alguns acabam tendo coragem para isso. É exatamente dessa forma muitos lideres recebem comentários que, de alguma forma, podem tirar-lhes do sério. Cabe ao criticado, portanto, usar as críticas em seu favor, seja para aprimorar-se, seja conseguir novos adeptos.

 

Luis Henrique Cintra

 

Marketing pessoal.

rubem

Professor Rubens Pereira

Uma dificuldade muito grande que todos encontramos como fisioterapeutas e educadores físicos é a propaganda. Como fazê-la? As pessoas vão pensar que eu “me acho”? Não seria melhor se outra pessoa falasse de mim? Faço cartões de visita, propaganda em jornal, revista, televisão, rádio, internet??? Enquanto pensa em tudo isto as contas já chegaram e você ainda nem começou a trabalhar…

Algumas dicas muito simples:
• NINGUÉM pode falar com mais propriedade sobre você do que você mesmo.
• Seja SEMPRE sincero e honesto quando falar de você. Saiba falar de suas qualidades e defeitos.
• Faça o seu melhor trabalho com todos os seus clientes e a melhor propaganda será feita sozinha: o boca-a-boca. O trabalho bem feito faz com que as pessoas façam sua propaganda sem você pedir.
• Se fizer um cartão de visitas não faça o mais barato. A diferença de preço não vale a pena. Apesar disso não ser o principal item para atrair os seus clientes, é importante que seja um cartão bonito, simples e objetivo. Lembre-se: é um cartão e não um currículo.

A propaganda em mídias tradicionais como jornais, televisão, etc. pode gerar uma visibilidade muito grande e muitas vezes uma procura dos seus serviços superior a que você pode atender. Uma boa empresa é construida com bases sólidas e poder atender a todos os seus clientes com a mesma qualidade é imprescindível para manter o negócio funcionando. Invista primeiro na qualidade do atendimento e depois em propagandas em mídias de grande expressão.

FONTE: Prof.Rubens Gabriel Pereira
Diretor Canali System Brasil Personal Trainer Body Tech – Koatch – Renaissance Fitness
Árbitro de Ginástica Artística Masculina
Ex-Técnico de Ginástica Artística
Comentarista Esportivo – Rede Bandeirantes de televisão

Aprendendo a vender

Vendedor_de_Maçãs– Bom dia minha criança, em que posso serví-la?

– Minha mãe disse que tenho que comer frutas, e eu odeio.

– Entendo. Você conhece a história da branca de neve?

… – Sim, todo mundo conhece.

– Mas você não sabe que o príncipe tinha uma maçã também?

– Não, não sabia.

– Pois ela é igual a essa. Veja como brilha.

– É mesmo? Verdade? Deu até fome. Vou chamar minha mãe pra comprar essa maçã.

….

– Bom dia. Minha filha pediu para eu vir comprar uma maçã aqui. Graças a Deus ela decidiu comer alguma fruta.

– Bom dia senhora, incrível como sua filha parece com a senhora. Dizem que a melhor forma de escolher uma noiva é ver a beleza da sogra.

– Obrigada.

– Pelo que vejo a senhora deve gostar de frutas.

– Mais ou menos, mas que ela não saiba.

– Incrível, pois pelo aspecto de sua pele, eu diria que a senhora não come outra coisa.

– Rsrs, bem, acho que vou querer uma pra mim também, mas não tenho dinheiro para as duas.

– É uma pena senhora, infelizmente não vendemos fiado.

– Tudo bem, meu marido esta aqui perto e vou chamá-lo para pagar.

– Pois não senhora.

– Olá. Bom dia

– Pois não senhor, em que posso serví-lo?

– Eu vim pagar 2 maçãs que minha esposa deixou reservadas.

– Aqui estão, mas deixa eu lhe falar uma coisa:

– Esse pacote aqui contém 5 maçãs e o preço dele é de 4. Seria vantajoso,o senhor teria maçã para semana inteira, não acha?

– Verdade, eu quero o pacote.

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

O rei perfeito

rei perfeito

Era uma vez um grande guerreiro que viajava por diferentes lugares tentando encontrar um reino que lhe fosse adequado. Cansado de percorrer montanhas e vales ele foi consultar um velho Samurai.

– Mestre,  procuro um lugar para me estabelecer, criar meus filhos e ensinar minha arte para aprendizes.

– Entendo, mas você tem procurado bem?

– Sim, porém, nunca encontrei um Rei que me parecesse adequado.

– Como não, tal rei está em todos os lugares.

– Desculpe minha ignorância mestre, mas não entendi. Como um rei pode estar em todos os lugares?

– O TEMPO é esse tal Rei.

– E como ele governa seus súditos.

– Sendo impiedoso, indiferente e generoso.

– Agora foi que fiquei confuso, como isso é possível?

– O rei será aquilo que você deseja, desde que você assuma seu papel.

– Como é esse papel?

– O Rei será INDIFERENTE com os apressados, IMPIEDOSO com os preguiçosos e GENEROSO com os determinados.

– Então como devo me comportar?

– Somente você saberá essa resposta.

Um abraço,
Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Feliz Natal a todos os Fisioterapeutas Empresários

   feliz natal5

Estamos concluindo mais um ano promovendo a saúde funcional em todos aqueles que nos procuram. Ser Fisioterapeuta é isso, exalar felicidade na conquista de gestos simples, porém, imprescindíveis para o cotidiano.

Meus amigos que o Natal de vocês seja repleto de luz, celebrando assim, seja com a família, seja com amigos, a fé que nos estimula a buscar diariamente a qualidade de vida em cada um de nosso pacientes.

Feliz Natal a todos!

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

O Macaco, a Raposa e a solidão

SONY DSCEra uma vez uma RAPOSA que vivia comendo restos de comida pela mata. O MACACO vendo sua dificuldade resolveu ajudar. – Amiga RAPOSA, veja bem, você deve saber aonde procurar a comida, aqui está o mapa, e aqui fica o galinheiro. A RAPOSA não acreditava que o MACACO tinha sido tão generoso, não lhe oferecendo comida, mas, informando-lhe aonde sempre consegui-la.

O tempo foi passando e a RAPOSA, resolveu controlar outros galinheiros. Conseguiu alguns amigos, e, dessa vez, pediu mais uma vez a ajuda do MACACO na manutenção de seus projetos. O MACACO assim o fez. Porém, a RAPOSA queria mais, e daí desejou manipular o MACACO para atingir seus objetivos dentro dos novos galinheiros e esse assim lhe disse: – Minha amiga, esse é seu reino não o meu, eu estou aqui para lhe ajudar, mas eu moro nas árvores e não no galinheiro.

A RAPOSA muito esperta resolveu fazer novos amigos por toda a floresta. Muitos não enxergavam, mas, essa desejava somente obter vantagem sobre tais amizades. Contudo, ela tinha vergonha do seu amigo, o MACACO. Ele era feio, às vezes mal educado e extremamente sincero, e ela, por tudo isso, não queria apresentá-lo a ninguém. Assim, pensava ela, esse ficaria esquecido e ela nunca precisaria ser-lhe grata por nada. Ela sempre se vangloriava por conseguir o que queria sem a ajuda de ninguém.

Um dia, a RAPOSA foi querer roubar a comida do leão, levou um patada, coitada, voltou bem quietinha para sua toca e de lá não saiu mais.

O MACACO nunca se incomodou com a indiferença da RAPOSA, às vezes, tinha até pena, pois sua amiga RAPOSA ficava tão preocupada em ser aceita que esquecia que na vida não adianta fazer amigos se não pode cultivá-los.

Um dia o MACACO foi aclamado Rei, e a RAPOSA, foi cheia de dentes lhe dar os parabéns, pois, a essa altura, ela já estava esquecida e solitária. Ela então perguntou:

– Como você conseguiu ser Rei? Você não tem amigos, é feio e mal educado.
– Na vida, minha amiga RAPOSA, convivemos com INIMIGOS DECLARADOS E AMIGOS SUSPEITOS. Graças ao tempo aprendemos a identificá-los. Enquanto eu cultivava os verdadeiros, você enaltecia os falsos. Você deve aprender que a única coisa que conseguimos sozinhos é a própria solidão.

Um abraço,
Luis Henrique Cintra

As inquilinas

Duas amigas procuravam um local para morar. A INVEJA e a ATITUDE perambulavam pelo mundo procurando o CORAÇÃO DOS HUMANOS para viver.

SONY DSC

Luis Henrique Cintra Fisioterapeuta Consultor de Negócios

A INVEJA, mais astuta, sempre conseguia morada, fosse nas crianças, nos jovens ou nos velhos. Ela entrava e ficava dormindo, dessa forma não incomodava ninguém, passando, sempre, como desapercebida.

A ATITUDE, mais jovem, não entendia o porque de toda a sua dificuldade para conseguir um lugar. Todos elogiavam as intenções. Ninguém assumia que tinha a INVEJA no coração, mas ela sabia que essa sempre estivera presente.

Cansada de tentar em vão, foi conversar com a bruxa SENSATEZ que diziam ser imortal. Ao vê-la, ela sentiu um arrepio de medo, até um certo nojo. A velha, curvada pelos anos e cheia de cicatrizes, jogava migalhas aos pássaros.

– Preciso de sua ajuda

– Claro minha filha. O que deseja?

– Quero entrar no coração dos homens que é habitado pela INVEJA.

– Entendo. Você parece determinada.

– Sim eu sou.

– Mas vaidosa também.

– Leve esse remédio e tome 3 porções antes de entrar no coração dos homens que você conseguirá seu feito.

A ATITUDE agradeceu e levou a porção consigo. Antes de entrar, ela deu um gole e cuspiu uma parte blasfemando:- Que gosto horrível, mas deve ser o suficiente, afinal eu sou, eu posso, eu consigo. Logo na entrada do coração a besta-fera, INVEJA, acordou e a escorraçou de lá.

Humilhada e bastante nervosa a ATITUDE foi discutir com a SENSATEZ:

– Sua velha, você mentiu pra mim!

– Não, ATITUDE, você é que tentou me enganar

– Como assim? Eu vim lhe pedir ajuda e de nada adiantou.

– Você tomou o primeiro gole da porção e não quis repeti-lo, não foi mesmo?

A ATITUDE ficou desconcertada com a afirmativa da velha. – Como você sabe disso? Eu estava sozinha, alguém lhe contou.

A velha começou a rir. – Sabe essas cicatrizes que lhe causam nojo, elas foram feitas por pessoas como você que aparecem cheias de boas intenções, mas que no fundo não seguem o que eu falo. Você é mais uma apenas. Vá lá e faça o que mandei, você conseguirá atender às suas necessidades.

A ATITUDE fez o que a velha ordenou. Ao terminar o terceiro gole, embora sentindo um amargo terrível na boca ficou mais calma. Entrou no coração dos homens e não despertou a INVEJA Ela voltou para sua mestra sorrindo e pulando e disse: – Agora que entrei, eu quero expulsá-la.

– Isso é impossível, deixei-a dormindo apenas. É suficiente. Mas nunca esqueça do remédio.

A ATITUDE reconheceu o poder do remédio e resolver ver o que estava escrito no rótulo: DISCRIÇÃO. Desde então os homens SÁBIOS que tem ATITUDE sempre devem recorrer a SENSATEZ para saber usar A DISCRIÇÃO em suas ações, pois a INVEJA pode ser acordada a qualquer momento.

A concorrência na Fisioterapia

perfil

Diariamente converso com colegas que alegam que a concorrência é desleal, ou seja, nenhuma novidade. Prefiro dizer que na realidade a concorrência não é desleal, mas desinformada, e isso parece estar bem relacionado ao velho e rotineiro assunto, o MEDO, sim, temos medo daquilo que não conhecemos, daquilo que vive no imaginário. Preferimos calcular o nosso preço não no “valor” de nosso serviço mas no “preço” que nosso vizinho aplica.

A experiência mostra que clientes de uma clínica de Fisioterapia não frequentam o local necessariamente pelo preço de seus serviços, e sim, pela facilidade de seu acesso.Trânsito, má comunicação, atendimento fora do horário, equipamentos quebrados ou equipe mal treinada faz o cliente perder algo mais importante que dinheiro, o faz perder TEMPO. Expandindo o raciocínio, o faz perder parte de sua vida “esperando” que o serviço de Fisioterapia seja realizado.

Estudos mostram que os clientes de uma determinada clínica habitam ou trabalham num raio de 3 km daquele local. Ninguém vai rodar 10 km para ter um desconto de R$ 20,00 ou R$ 30,00, principalmente no que diz respeito a tratamentos seriados, pois, como já definimos acima, a “perda de tempo” não justifica.

Um abraço,

Luis Henrique Cintra

A Fisioterapia na Internet

digitando-1

Procuro ler sempre blogs, comentários e propagandas sobre minha querida profissão, Fisioterapia, todos os dias. Consegui identificar, em minha opinião, alguns tipos de situações:

– A primeira é que existem muitos colegas (alunos e profissionais) que se chateiam muito com a história dos protocolos de Fisioterapia. Aquela velha ladainha da receita do Ondas Curtas, Ultrassom e Tens.

– A segunda, é justamente a continuidade da primeira, que mostra como saída é a Terapia Manual. Pois o tratamento é individual e ai cada caso é um caso. Como se não houvesse protocolos de atendimento na terapia manual.

– A terceira, é o povo que não é mais Fisioterapeuta, mas que passa pra todo mundo que tudo que conseguiu na vida foi como   Fisioterapeuta e ai vende os seus produtos e serviços.

– A quarta é a turma do barato coletivo. Sem comentários.

– A quinta, é do pessoal que tapa o sol com a peneira dizendo que a gente só tem que atender os ricos. É porque não compensa atender planos de saúde. Não existe classe média e o povo é um detalhe.

– A sexta, é o povo que começa a falar da Fisioterapia e mistura com os problemas nacionais e não reponde nada. Ai é fácil identificar.

– A sétima é a turma dos novos conceitos tipo Pilates Evolution, Pilates Aquático, Pilates Aéreo, Pilates Subterrâneo, Massagem Redutora, Massagem Turbinada, RPG LUXOR, RPG BMW etc. Isso nos faz sentirmos desatualizados.

– A oitava é a turma que acha até legal o que leu mas não comenta por não querer assumir alguma coisa.

– A nona é a turma que ama o que faz, mas não sabe quanto ganha ou quanto vale. Normalmente ainda não tiveram filhos e tem menos de 30 anos.

– A décima são os donos da verdade, que acredito, devo estar me comportando como tal, e mereço seu comentário ou crítica. Na realidade, meu amigo internauta, você que teve a paciência de ler tudo isso que escrevi, faço isso somente porque acho que nós, FISIOTERAPEUTAS E ACADÊMICOS, estamos nos enganando. Se nós realmente gostamos do que fazemos, vamos olhar ao nosso redor e ver nossa realidade. Não precisamos abandonar tudo que já conseguimos, mas não é comprando uma roupa nova que vamos conseguir respeito. Vamos assumir nossas responsabilidades e reconhecer nossas limitações, assim nos protegeremos como UM TODO.

Um abraço,
Luis Henrique Cintra